quinta-feira, 17 de abril de 2014



POEMA PARA A AMADA DISTANTE - ROMEU E JULIETA - 1987

POEMA PARA A AMADA DISTANTE

17 / 4 / 2014

Por tua presença, seria capaz de namorar teus pés;
de me encantar com o leve toque de tuas mãos.
Ficaria grato pelo som de tua voz
e feliz por um breve sorriso teu.

Uma palavra tua seria mais bonita que um verso branco.
Tuas frases seriam como poemas de versos azuis.

Tua silhueta, bem, isto seria um espanto,
uma linda ave pousando sobre mim, carregada
                                      de todas as metáforas de felicidade.

Por tua chegada, escreveria mil poemas.
Soltaria, ao vento, mil palavras poéticas;
Subiria ao mais alto monte para sussurrar mil vezes teu nome.


sábado, 5 de abril de 2014


Carregando flores - 1984 - Tamanho A4 - lápis de cor, caneta esferográfica e giz de cera



A ALMA É UM JARDIM
Poema 2/2000
José B. Maciel


"A alma é um jardim.
Primaveril, floresce no poema;

em setembro, alça vôos com borboletas.


Um mar de rosas, os canteiros do corpo.

Teu nome, aberto às aves do campo,
é uma página escrita com flores.

Nas sementes da alma,
em qualquer paisagem,
meus olhos possuem
flores que vejo em ti."


sábado, 29 de março de 2014

"Talvez, no murmúrio
das pedras
eu te reinvente,"

Foto no interior do Campus da Unesp Guaratinguetá - FEG - Dez. 2013 - José B. Maciel - por celular.


Imagens gravadas com auxílio de giz de cera sobre papel jornal- Tamanho A4 - ano 2000

TALVEZ

02 / 09 /  93

Talvez. Talvez
no caminho
eu te perca,
no silêncio
dos casulos
eu te deixe,
no musgo
dos peixes
eu te demova.

Talvez. Talvez
no cheiro
do luar
eu te olvide,
no murmúrio
das pedras
eu te reinvente,
na sombra
das flores
 eu te busque.

Talvez. Talvez
na rota
das aves
eu te siga,
na imagem
do espelho
eu te observe,
pássaro,
borboleta,
um anjo,

talvez, talvez.
José Benedito Maciel


sábado, 22 de março de 2014




NOS GESTOS

Nos gestos dentro do silêncio,
Olhos sonhando os sonhos
De outros olhos a sonhar.

Nos gestos dentro da palavra,
Seiva para continuar sílabas
De outras palavras a sonhar.

Nos gestos dentro da escrita,
Pétalas para coisas da alma
De outras almas a sonhar.

Nos gestos dentro da música,
Notas suaves das coisas da alma
De outros homens a sonhar.

Nos gestos dentro do poema,
Olhos sonhando os sonhos

De outros pássaros a sonhar.

Poema meu dos anos 2002 a 2006.


Desenho meu de 1976 - Voo de Ícaro - Colagem, caneta bic, etc. Tamanho folha A4.

sábado, 15 de março de 2014


Escrever um poema é uma arte de invenções e espelhos


Foto do muro interno de minha casa na Rua Caramurus, 822 - Guaratinguetá - mosaicos feitos com azulejos e pisos cerâmicos - todos colocados e rejuntados por mim nos anos de 2002 a 2009.


Escrever um poema

é uma arte de

invenções e espelhos
Sonhos de Dédalo,
asas de Ícaro,
canteiros de aragem.

Quando arde no peito
um sopro de coisas
nunca passageiras;
um desfrute de portas
abertas para existirem
pássaros que sonham;

Um predomínio por flores,
palavras que desejam
nascer nuvens nos olhos:

Eis o poema
despertando
invenções e espelhos.

01 / 02 / 1999




quarta-feira, 5 de março de 2014

OFERENDA - 28 / 10 / 96

Trago aqui o coração que
de tanto amar, ofertei-o



Quadro pintado sobre madeira com relevo e cortes - por influência de Torres Garcia - artista Uruguaio -Feito no Rio de Janeiro, possivelmente em 1978, pouco antes de me mudar para Guaratinguetá com a Filomena e o Vinícius, que tinha dois anos.
Trabalho consumido pelos cupins e caranchos - fica aqui o registro - 


OFERENDA - 28 / 10 / 96

Trago aqui o coração que
de tanto amar, ofertei-o
em pequenas doses
às nuvens e aos recantos
das aves.

Trago aqui as mãos vazias,
pois ofertei o orvalho
úmido das manhãs antigas
que possuía em meus dedos.


Trago aqui os olhos ansiosos,
como cestos incompletos,
para saciá-los com meu
desejo de colher frutos
neste imenso pomar de
poeta.

trago aqui o corpo,
como de pedra, no
silêncio que a vida
vai cortando, fatias
de meu nome sobre
águas, sobras de meu
pranto.

E na alma, trago um
jardim repleto de
flores e cristais sonoros
que nunca doei
por serem
escassos.

José Benedito Maciel


domingo, 2 de março de 2014

AME SUA VIDA - Colagem - " As obras de arte são de uma solidão infinita: ....... Apenas o amor pode captá-las, conservá-las, ser justo em relação a elas." (Raine Maria Rilke)

Processo de realização do trabalho " Ame sua vida." - colagem sobre madeira - iniciado em outubro de 2013, encerrado em fevereiro de 2014.


 Trabalho já com 1/3 feito, novembro de 2013 - é um processo lento, que exige paciência, compromisso  e dedicação
                                    Quadro já acabado - fevereiro de 2014. Dimensões: 48 x 154 cm
                                   Detalhes do trabalho do lado direito do quadro.
                                  Detalhes do trabalho do lado esquerdo do quadro.
                                  Detalhes da parte central do trabalho.